Ao continuar a sua navegação, aceita a utilização de cookies ou das tecnologias semelhantes que usamos, incluindo parceiros terceiros, para uma melhor navegação neste site, a divulgação de publicidade direcionada e conteúdos relevantes ao seu centro de interesses, bem como análises de utilização do site. Para continuar a melhorar a proteção dos seus dados pessoais, atualizamos a nossa política de privacidade Ver mais

Um actor responsável

grosfillex_une_production_responsable.jp

Responsável desde sempre, o grupo Grosfillex soube colocar o seu espírito pioneiro ao serviço do desenvolvimento sustentável, na sua matéria e nos seus processos de transformação.

Do lado da matéria, o cádmio foi suprimido das formulações a partir de 1996, e o chumbo foi substituído por cálcio-zinco a partir de 2003, iniciativa aprovada pelo CSTB no mesmo ano.

Hoje em dia, todas as matérias-primas utilizadas estão em conformidade com as exigências Reach, garantindo produtos sem perigo para o utilizador e 100% recicláveis.Voltada para o futuro e líder, a Grosfillex está à cabeça do grupo de investigação SYRIMAP (ignifugação eco-compatível), projeto subvencionado num total de 4 milhões de euros de investimento. Participa ainda no plano Vinyl Plus que prevê atingir as 800 000 toneladas de PVC reciclado em 2020.

Côté process, le groupe s’est engagé dans la démarche Bilan Carbone de l’ADEME en 2008, et poursuit un plan d’action pour réduire ses GES de 34% (rénovation des toitures, presses hydrauliques à débit variable…). 

Do lado dos processos, o grupo comprometeu-se com a iniciativa Bilan Carbone (Balanço de carbono) da ADEME em 2008 e segue um plano de acção para reduzir os seus GEE em 34% (renovação das coberturas, prensas hidráulicas de débito variável, ...).

A Grosfillex não consome água graças a um circuito fechado de arrefecimento de 100m3/hora e não gera qualquer resíduos de produção garças à sua granulação e à sua reciclagem (4200 toneladas/ano)

Graças a investimentos em grupos frigoríficos, a empresa consegue recuperar 600kW de calorias dispensados pelo fabrico para aquecer os sítios industriais e reduzir desta forma a sua factura energética.

Outras iniciativas, como a partilha de viatura por parte dos colaboradores ou a instalação de depósitos satélite nos países regularmente livres, contribuem também para a redução da pegada ecológica.